Youtube Vanced: Será que você deve usar?

por | maio 17, 2022 | Youtube | 0 Comentários


Famoso por ser um aplicativo modificado do YouTube que oferece vários recursos que estão presentes apenas na versão Premium, o YouTube Vanced ganhou o selo de “nocivo” e “perigoso” do Google Play Protect. Dessa forma, o app já tinha sido retirado da Play Store no dia 13 de março de 2022, mas continuou funcionado em versões antigas para Android.

Para saber se você deve ou não usar esse aplicativo modificado, primeiro é importante entender o que é o Google Play Protect.

O que é o Google Play Protect?

Esse recurso é uma proteção que está presente na grande maioria dos aparelhos com o sistema Android. Ele tem a função de ser uma espécie de antivírus. Todos os apps que entram na Play Store precisam ser avaliados no Play Protect. Além disso, caso seja instalados aplicativos de fontes externas, o antivírus também verifica possíveis malwares e outros riscos de segurança.

O Play Protect ainda é importante por integrar a função Encontre Meu Dispositivo, que ajuda a encontrar celulares perdidos ou até mesmo roubados.

Ainda vale destacar que ele é um aplicativo nativo do sistema Android, então não precisa ser instalado de maneira manual. Então, as análises de segurança são realizadas de maneira constante e automática, mas o usuário pode selecionar de forma específica e quando desejar os programas a serem analisados.


O que é YouTube Vanced?

Esse aplicativo foi criado em 2019, e nada mais é que uma versão personalizada do app do YouTube que foi idealizado por terceiro. Por conta disso, ele não é uma plataforma oficial, mas é capaz de reproduzir o conteúdo que está disponível no YouTube original.

O grande diferencial do YouTube Vanced é permitir que os usuários acessem diversos recursos que estão apenas na versão premium, como: reprodução de vídeos sem anúncios, modo picture-in-picture (PiP) e até a exibição da quantidade de “Não gostei”, que foi ocultada em novembro de 2021 do YouTube original.

YouTube Vanced - Foto 2Foto: Divulgação/ YouTube Vanced

É importante ressaltar que em março de 2022, o aplicativo teve o desenvolvimento e suporte encerrado por “questões legais”. Os desenvolvedores não deram detalhes sobre a situação, mas a suspeita é que o Google tenha notificado os responsáveis com uma ordem “Cease and desist” (“Cessar e desistir”, em tradução livre), ou seja, uma solicitação de interromper o projeto, sob ameaça de uma ação judicial.

Com isso, por ter sido considerado um aplicativo malicioso, as pessoas podem ter receio em deixar a plataforma instalada no próprio celular.


Por que o YouTube Vanced foi considerado nocivo?

O que deixa o YouTube Vanced com um selo de app nocivo é a ferramenta Vanced Manager, um outro aplicativo que é obrigatório ter no aparelho para manter o YouTube Vanced atualizado.

É preciso instalar o Vanced Manager porque a plataforma modificada não pode ser baixada pela Play Store, já que ele é distribuído por um site paralelo, na qual o download é feito por fora da loja nativa do sistema.

Sendo assim, ainda que o YouTube Vanced não receba mais atualizações, o Vanced Manager precisa ser instalado no aparelho para que tudo funcione como programado.

Saiba Mais: Como fazer download de música do YouTube?

De toda forma, no momento, o YouTube Vanced ainda está funcionado normalmente na última versão que foi lançada, mas é provável que isso não dure por muito mais tempo. O Google pode adicionar um novo mecanismo para carregar vídeos no YouTube ou mudar algumas APIs para o app modificado parar de funcionar como deve.


O YouTube Vanced é de fato perigoso?

Não há nenhuma certeza e nem constatação real de que o YouTube Vanced seja de fato perigoso. O Play Protect não deixa explicito as razões que fez o Vanced Manager ter recebido o selo de “nocivo”. Assim, é difícil apontar que o app é ou não perigoso para se ter no celular.

Uma das teorias levantadas nas redes sociais do YouTube Vanced ter sido considerado nocivo, é que o app Vanced Manager usa permissões de root do Android para efetuar algumas atividades, por isso teria o selo de nocivo.

O alerta enviado pelo Play Protect intensifica essa teoria, já que acusa o app de “tentar contornar as proteções de segurança do Android”, mensagem que é exibida só para aplicativos com esse tipo de violação.

Entretanto, ocorre algo de certa forma estranha, o tempo e a seletividade da plataforma: nem toda versão do Vanced Manager é encarado como nocivo no Play Protect. Dessa maneira, apenas a versão 2.6 do aplicativo, realmente, é a que causa o alerta. A versão mais recente do programa, a de número 2.6.2, não ganha o selo de violar a integridade do celular.

E de conhecimento que ter um aplicativo sem suporte oficial pode ser algo nocivo para os smartphones, já que as possíveis vulnerabilidades nunca vão ser concertadas pelos responsáveis. E, por causa disso, poderão ser exploradas no futuro por alguém mal-intencionado.


É importante mencionar isso, contudo, o mais provável é que esse não tenha sido o motivo que fez o Play Protect mandar o alerta para as pessoas.

O Play Protect é a sua seletividade

O Play Protect deve ser utilizado somente para proteger o celular de possíveis ameaças reais. Então, como já mencionado anteriormente, no caso do Vanced Manager, só uma versão da plataforma é considerada nociva. Assim, levanta-se a suspeita do Google estar usando o Play Protect apenas para remover o aplicativo modificado por questões judiciais, até mesmo porque o Google nem especifica as razões pelo qual o aplicativo é considerado prejudicial.

Caso seja comprovado dessa suspeita ser verdadeira, o Play Protect, provavelmente, perderá credibilidade entre os usuários. É importante apontar que o Vanced violou os termos de serviço do YouTube, mas é trabalho da Justiça definir o destino do aplicativo, não do Google.


Entidades: Android | Google | Youtube

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Shopee Xpress: como rastrear seu pedido Casa de madeira: 10 projetos para te inspirar Apelido para namorado Criptomoedas para 2022 Bolos Vulcão Corretora de criptomoedas